domingo, 7 de janeiro de 2018

No Batismo do Senhor, relembramos a importância do nosso.

Terminado o “tempo natalino”, começamos hoje o “tempo comum”, ou seja, a vida pública de Jesus, sua missão como Filho em favor dos filhos. 

O relato do batismo – que marca a passagem da vida em Nazaré para a vida peregrina – faz referência a uma experiência fundante de Jesus: confirmado pelo Pai, impulsionado pelo Espírito, Ele descobre o sentido de sua vida e a missão que devia realizar.

O batismo de Jesus implica uma profunda experiência espiritual, muito ligada à sua atitude humilde de aproximar-se do rio Jordão, onde as pessoas simples do povo buscam no batismo de João uma purificação de suas vidas. Jesus “desce” ao Jordão, gesto que condensa sua descida do céu à terra, sua “kénosis”, a radicalização de sua Encarnação. É uma “descida” às águas da humanidade. Nesse sentido, o batismo não é a prova da divindade de Jesus, mas a prova de uma verdadeira humanidade; Jesus “desce” ao Jordão, submerge na vida e na condição humana e ali faz a experiência de ser conduzido pelo Espírito em favor da humanização de todos.

O céu se abre e sobre a terra começa a caminhar um Homem cheio do Espírito. Esse Espírito que desce sobre Ele é sopro de Deus que cria vida, a força que renova e cura a humanidade ferida, o amor que transforma tudo. Sob o impulso do Espírito Jesus se dedica a libertar a vida, a curá-la e a fazê-la mais humana. Por isso, o grande protagonista da liturgia de hoje é o Espírito. A missão de Jesus não pode ser entendida a não ser pela experiência de deixar-se conduzir pelo mesmo Espírito.

No batismo, Jesus rompe com a “normalidade” de sua vida cotidiana e começa a ver tudo a partir de um horizonte mais amplo. Ele sente um chamado real a olhar a humanidade, com suas feridas e possibilidades, a partir da consciência de uma fraternidade ampla. Ao descer às margens do Jordão, Jesus desloca-se para as margens da humanidade, rompe fronteiras, abre os olhos a uma realidade mais ampla...

A festa do batismo de Jesus é uma ocasião especial para repensar nosso batismo, um convite permanente para relançar-nos em Sua aventura, de deixar-nos invadir pelo Seu Espírito, de comprometer-nos com Seu Reino.

Na vivência cristã, nosso maior risco é o esquecimento de Jesus e o descuido de seu Espírito. É preciso voltar às fontes, à raiz, recuperar o Evangelho em toda sua pureza e verdade, deixar-nos batizar pelo Espírito de Jesus. Se não nos deixamos reavivar e recriar por esse Espírito, nós cristãos não teremos nada importante a contribuir com a sociedade atual, tão vazia de interioridade, tão incapaz para o amor solidário e tão carente de esperança.

Oração: Lc. 3,15-16.21-22
Recordar (lembrar com o coração) aspectos da vida que precisam ser revistos para viver melhor o batismo. 

Pe. Adroaldo Palaoro sj
08.01.2013

sábado, 6 de janeiro de 2018

Dia da Gratidão

Dia 6 de janeiro é comemorado o Dia da Gratidão. Um dia especial para expressarmos nossa gratidão por tudo que somos e temos.

É um sentimento nobre que traz consigo amor, ternura, amizade, entre outros sentimentos, expressos de igual para igual, sem diferenciação ou bajulação. Ser grato é reconhecer que não somos seres únicos; nossa vida é interligada a de outras pessoas que direta ou indiretamente participam da nossa história e contribuem para que ela seja escrita.

Assim, entendemos que a gratidão é o ato de ser grato a algo que a vida nos dá, sendo ela boa ou ruim.

Sentir-se grato traz muitos benefícios a nossa vida de alegria e satisfação constante, despertando em nós uma atitude e postura positiva, que nos fortalece para os momentos difíceis que podem acontecer.
Gratidão também é Amor! Amar, nos leva a sermos agradecidos e agraciados por Deus e pela vida! Então Ame e seja grato!

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Paz Mundial

O Dia da Paz mundial se constrói com passos concretos, e de mãos dadas com o diferente, sem preconceitos respeitando o jeito de ser de cada pessoa em sua cultura. Feliz Ano Novo!










































Curta nossa página no Facebook

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Nossa Senhora de Guadalupe

Ó Senhora, Virgem Santa de Guadalupe,
Mãe de Deus, a mãe de todos nós.
Mãe da América Latina,
Cuida com ternura o nosso continente. 

Ó Mãe nos oriente, Mãe nos ilumine.
Ó Senhora, sempre Virgem Santa Maria.
Mãe fiel, a Senhora da luz,

Mãe do povo oprimido.
Olha com doçura as nossas crianças,
Renova a esperança ao jovem perdido.

Cura nossas feridas e dores,
Escuta os nossos clamores mãe querida.
Às famílias mostra o rumo certo,
De Jesus nos deixa bem perto.
Santa Mãe guarda nossas vidas.

Nossa Senhora de Guadalupe,
Nos dá proteção no aconchego do teu manto.
Nos faz mensageiros do amor e da paz.
Nossa Senhora de Guadalupe,
Mãe piedosa escuta o nosso pranto.
Santa Mãe de Deus Rogai por nós!
E nas horas mais difíceis de nossos dias.

Tua luz é necessidade,
Conforto em nossos caminhos.
Ó Mãe deixa claro cada oração,
Que tem fé, devoção apesar dos espinhos.

Autor: Edson Pereira de Souza

domingo, 10 de dezembro de 2017

Você já se perguntou o que são direitos humanos?

Os Direitos Humanos são os direitos Fundamentais a todos os seres humanos, independentemente de raça, sexo, nacionalidade, etnia, idioma, religião ou qualquer outra condição.

Por que são fundamentais?
Porque sem eles, a pessoa humana não é capaz de existir nem de se desenvolver e participar plenamente da vida. Eles representam as minímas condições necessárias para se ter uma vida digna.

Quais são os Direitos Fundamentais?
Direito à vida e à liberdade, direito à saúde, trabalho, educação, moradia. alimentação, entre e muitos outros. 

Em que se fundamentam os direitos humanos?
Os Direitos Humanos se fundamenta na ideia do respeito pela dignidade e o valor de cada pessoa.

O que é Dignidade humana?
É o que caracteriza a essência, ou seja, a humanidade da mulher e do homem. É um valor inerente ao ser humano, que  noz faz considerá-lo como algo diferente de uma coisa, de um objeto. O respeito à dignidade humana deve existir sempre, em qualquer lugar e de maneira igual para todas e todos.

Você já se perguntou por que existe desigualdade?
A desigualdade social pode ser caracterizada da seguinte forma: Poucas pessoas com muito e muitas pessoas com pouco ou quase nada.

A desigualdade social se origina da disputa de poder entre os seres humanos, onde um quer ser sempre superior ao outro. Com o surgimento do sistema capitalista essa noção de desigualdade se agrava a partir da seguinte lógica: o empresário possui o dinheiro e o/a trabalhador/a possui a "força de trabalho". Para conseguir sobreviver resta à pessoa trabalhar em troca de um determinado salário. Muitas das vezes essa remuneração não garante que suas necessidades básicas sejam supridas.

A crueldade do sistema capitalista é tão grande que nos faz acreditar que "querer é poder", e quem, por ventura não conseguiu conquistar o sucesso é porque não se esforçou bastante.

O mundo só muda se você Mudar e Lutar. Os Direitos  surgem a partir de Lutas Coletivas de pessoas que sentem que seus direitos estão sendo violados.

Você é, o que Você tem?

Texto com adaptações.
Fonte: Cartilha Direitos Humanos - Pastoral da Mulher - BH