quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Vida e Missão de Madre Antonia – Educada para fé


Antonia foi uma menina educada na fé católica, exigência feita por seu pai Antonio, quando se casou com Susana que era católica, mas vinha de uma família protestante.

Susana, mulher de espirito culto e alma de artista, levava sua pequena Antonia à catedral de Lausane. Educou Antonia na fé católica e a ensinou com muito carinho o caminho da fé e do amor. E assim, Antonia cresceu... Uma menina de fé e espiritualidade forte.

Movida pelo desejo de por em prática os ensinamentos, advertências e exemplos que recebera durante a vida, Antonia escreveu sua regra pessoal de vida. A fim de ter um novo estilo de vida, consagrando sua vida a Deus.




Fonte: Antonia de Oviedo y Shöntal, 2004.
Para uma Juventude Livre. Padre Serra e Madre Antonia, 1985.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Papa convida jovens a aderir a grupos de preparação para o Sínodo, nas redes sociais.

Cidade do Vaticano 18 fev 2018 (Ecclesia) – O Papa Francisco convidou hoje os jovens a participar nos trabalhos de preparação da próxima assembleia do Sínodo dos Bispos, dedicada às novas gerações, recorrendo às páginas criadas pelo Vaticano nas redes sociais.

“Desejo fortemente que todos os jovens possam ser protagonistas desta preparação, pelo que poderão intervir online, através dos grupos linguísticos moderados por outros jovens”, precisou, falando no final do encontro de oração dominical, para a recitação do ângelus, na Praça de São Pedro.

Francisco recordou que de 19 a 24 de março, em Roma, vão reunir-se cerca de 300 jovens de todo o mundo para uma “reunião preparatória” do Sínodo marcado para outubro, no Vaticano.

“O contributo dos grupos da rede vai unir-se ao da reunião de Roma”, precisou.

O Papa convidou os jovens a procurar mais informações no site da Secretaria do Sínodo dos Bispos.

“Agradeço-vos pelo vosso contributo para que caminhemos juntos”, concluiu.

A próxima assembleia consultiva com representantes dos episcopados católicos, convocada por Francisco, tem como tema ‘Os jovens, a fé e o discernimento vocacional’.

Antes, o Papa vai abrir a 19 de março os trabalhos de uma inédita reunião pré-sinodal com jovens de todo o mundo, crentes e não-crentes.

Durante a realização da reunião pré-sinodal será possível participar nos trabalhos enviando o resultado da reflexão a um dos grupos linguísticos, através das páginas www.synod2018.va ou https://www.facebook.com/synod2018.

O próximo Sínodo dos Bispos está a ser preparado pelo Vaticano com as páginas ‘Synod2018’ no Facebook, Twitter e Instagram. O Sínodo dos Bispos pode ser definido, em termos gerais, como uma assembleia consultiva de representantes dos episcopados católicos de todo o mundo, a que se juntam peritos e outros convidados, com a tarefa ajudar o Papa no governo da Igreja.

Até hoje houve 14 assembleias gerais ordinárias e três extraordinárias, as últimas das quais dedicadas à Família (2014 e 2015).




Curta nossa página no Facebook


quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Campanha da Fraternidade de 2018

Já conhece o tema da Campanha da Fraternidade de 2018?
“Fraternidade e superação da violência".
Lema: Em Cristo somos todos irmãos (Mt 23,8)“.



"Educar para a vida em #fraternidade, com base na #justiça e no amor, exigências centrais do Evangelho. Renovar a consciência da responsabilidade de todos pela ação da Igreja Católica na evangelização e na promoção humana, tendo em vista uma sociedade justa e solidária."

Vamos junt@s superar a violência, seguindo firmes na luta por justiça social.
#oblatasbrasil #missãooblata #direitos das mulheres #direitoshumanos
#CF2018




Curta nossa página no Facebook

Vida e Missão de Madre Antonia - A formação espiritual e humana de Antônia

Quando tinha 13 anos, Antonia se muda para Friburgo onde encontra muitas pessoas amigas que gostam dela, especialmente a família Aeby, que cuidava de sua educação a pedido de sua Mãe Susana. 

Aqui teve inicio a etapa mais importante de sua formação espiritual e humana. Antonia ingressou no pensionato das senhoritas de Martange em Friburgo, onde fica dois anos estuando com as filhas das principais famílias da cidade. Lá ganhou uma magnifica instrução humanística e artística que havia de ser fundamental para os serviços que lhe reservou a providência.

Ela era sem dúvida inteligente e também intuitiva: compreendia que o futuro da mulher estava na cultura e dedicou-se totalmente à formação.

Não era fácil encontrar uma mulher tão instruída nos primeiros anos do século XIX, época em que a grande maioria das mulheres permanecia no analfabetismo e na pobreza cultural mais absoluta, Antônia ainda jovenzinha optou pela libertação das mulheres, começando por si mesma.

Uma de suas mestras a recordava assim: 
"Além do francês e do alemão, conhece o inglês e o italiano perfeitamente; e também a história, geografia, a pintura, a música e todo o tipo de atividade artística. Mas de modo especial, é digna a admiração pelo seu comportamento irrepreensível, sua profunda piedade, a beleza da sua alma, as boas qualidades do seu coração e o eflúvio de virtudes pelas quais é amada por todos que lhe são próximos".

Fonte: Antonia de Oviedo y Shöntal, 2004.
Para uma Juventude Livre. Padre Serra e Madre Antonia, 1985.







Curta nossa página no Facebook

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Vida Religiosa Oblata - Um Jeito de Ser e Estar no mundo.

A Vida Religiosa Oblata nasceu no ano de 1970 no povoado de Ciempozuelos – Madri – Espanha. Foi fundada por Antonia da Misericórdia que foi convidada por padre Serra para abraçar a missão com as mulheres em contexto de prostituição.

A princípio Antonia não queria fundar uma Congregação, mas sim uma Obra social, animada por valores evangélicos. Mas os acontecimentos a levaram a descobrir que Deus a queria fundadora.

O Específico da Vida Religiosa Oblata é a coragem de doar sua vida numa missão tão única e desafiadora. Em um de seus escritos, Antonia (fundadora da congregação) nos fala: 

“Que as Oblatas sejam Oblatas, que amem as moças, que se acostumem com as moças, que aprendam a lidar com as moças, que saibam ter paciência com as moças, mas não aquela paciência fria, gélida, estoica; mas uma paciência doce, amorosa”. 

Quando nos aproximamos da realidade das mulheres, entendemos as palavras de Antonia e percebemos o que Jesus queria Dizer quando nos falava: “as prostitutas vos precederão no Reino dos Céus”.  Mt. 21,31

Atualmente a congregação das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor está presente em diversos países do mundo. O traço específico de sua espiritualidade é: trilhar as pegadas de Jesus Redentor e na medida do possível fazer-se semelhantes a Ele.

E umas das atitudes que configuram uma oblata são: Acolhida, Doação e disponibilidade. As Oblatas são Mulheres disponíveis para abraçar o convite de Jesus Redentor e trabalhar para o fim da exploração das mulheres. 

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

A Pedagogia do Amor e da Misericórdia

A pedagogia Oblata parte da realidade da mulher que exerce a prostituição e de seu contexto. 
A mística que nos aproxima da mulher é a mais profunda convicção de que ela é sujeito de direitos. 
O fundamento desta pedagogia é o amor que se expressa na misericórdia, na acolhida e num profundo respeito e aceitação da mulher; por isso, faz-se necessário, cultivar a paciência, o zelo, os bons sentimentos para que pouco a pouco se construa um caminho de libertação.

Assim, amar a mulher como sujeito acreditar nas suas potencialidades, é confiar na sua capacidade criadora.

A nossa proposta pedagógica tem como fio condutor o diálogo que parte da realidade da mulher, visando à libertação de tudo que impede a vida e o desenvolvimento. 

É uma pedagogia que reconhece a mulher como sujeito de transformação de sua própria realidade, marcada por estruturas injustas, lutando para construir uma realidade justa, em que é possível ter pequenos espaços para celebrar a vida, a esperança, o amor e a misericórdia de Deus Pai-Mãe.

Crê no despertar da mulher independentemente de sua libertação, aposta na vida, resiste e persiste, superando a ausência de resultados e o processo inconstante e lento da mulher.

Ir. Luiza Pralon, OSR.






Curta nossa página no Facebook

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Vida e Missão de Madre Antonia - Sua Infância


No dia 16 de março de 1822 nasce Antônia em Lausane - Suíça. Filha única do jovem casal Antonio de Oviedo y Oviedo e Suzana Schöntal y Favre.

Devido às dificuldades e conflitos em que passava a Europa naquela época, Dom Antonio de Oviedo, pouco depois do nascimento de Antonia, decidiu partir para a Inglaterra, tentando melhorar o nível econômico familiar, e durante muito tempo ficou sem contato com sua esposa e a pequena filha.

Após 12 anos sem nenhuma notícia, dona Susana, mãe de Antonia, soube que o marido estava em Londres muito doente, e foi ao encontro do esposo. Entretanto a enfermidade de Antonio estava muito avançada e Susana esteve com ele até o último suspiro. A menina Antonia, que não teve a oportunidade de conviver com a figura paterna, ficou órfã muito jovem.

Antonia desde muito nova, enfrentou desafios; era uma criança profundamente amada, porém o caminhar da vida lhe destinava a solidão. Como em muitas famílias, sua mãe, dona Susana teve de sair de casa à procura de trabalho para poder sustentar a família. Ela era pintora e ensinou o oficio à filha e fez questão para que Antonia estudasse e se preparasse para o futuro, confiando-a ao Senhor Abade Aeby, grande amigo da família e um homem de grandes virtudes.

Mesmo com a distância Mãe e filha eram muito unidas. Em momentos, tantas vezes sonhados e preparado juntas, como o da primeira comunhão, o sentimento de solidão de Antonia tornou-se mais agudo. A Mãe o sabia e por isso a escreveu: “Deus quis assim, provou-me naquilo que me é mais sensível. Deu-me uma cruz superior às minhas forças, mas confio na sua graça que suprirá á minha fragilidade...”.

Fonte: Antonia de Oviedo y Shöntal, 2004. 
Duas Histórias... Um único caminho, 2010.
Para uma Juventude Livre. Padre Serra e Madre Antonia, 1985.







Curta nossa página no Facebook

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Vida Religiosa, inspiração do Espírito

No decorrer da história, a Vida Religiosa Consagrada apresentou-se da mais variada forma, sempre respondendo as necessidades de seu tempo. Em síntese, podemos dizer que a Vida Religiosa Consagrada é uma intervenção de Deus na realidade concreta de seu povo, e o instrumento que Ele utiliza são as mulheres e homens, que buscando entender o sentido de suas vidas, se entregam numa missão que lhes é confiada por Deus. 

A partir do Convite que Deus fez a Abraão no livro de Gêneses 12, 1: “Sai-te da tua terra, da tua família e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei”. Também hoje, as mulheres e homens cristãos são interpelados sobre sua vocação, seu lugar no mundo e são convidados por Deus a serem seus instrumentos nas realidades que necessitam de sua presença Redentora. Estes convidados são movidos pelo desejo de igualdade, justiça, profecia, doação de vida e acreditam que um mundo melhor é possível. 

A Vida Religiosa é um convite para ultrapassar o comodismo e a indiferença, e nos chama ao compromisso profético com a realidade de exploração e sofrimento do povo de Deus. Este convite é expresso no Evangelho de Mateus, versículo 25, onde Jesus nos apresenta a única condição para entrar no Reino dos Céus: “tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me”. 

Por vezes podemos nos questionar: quando vimos o Senhor com fome, ou com sede, ou forasteiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não o servimos?

E Jesus responde: “Em verdade vos digo que, sempre que o deixaste de fazer a um destes mais pequeninos, deixastes de o fazer a mim”.

Vida Religiosa Consagrada é um convite, é sopro do espírito e é gratuidade!
Você já pensou em abraçar este projeto?


Ir. Luiza Pralon, OSR.






Curta nossa página no Facebook


A Missão começou com eles, e continua conosco...

“ A Igreja, que reconheceu a ação do Espírito Santo nesta obra, continua exortando-nos a permanecer fieis ao carisma de nossos fundadores que, atentos aos problemas de sua época, chegam a descobrir as necessidades da mulher... e levam-lhe uma resposta com os meios mais adequados para a sua... redenção”. (Constituições Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor, nº 2).

A missão apostólica da congregação das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor consiste unicamente em acolher, instruir, orientar, informar as mulheres que se encontram em contexto de prostituição. É impregnada de mística, profecia, compromisso e da ação Redentora de Jesus. 

A realidade de exploração vivida pelas mulheres que se encontram em contexto de prostituição, no ano de 1864 mobilizou o padre José Maria Benito Serra. Padre Serra atendia confissão das pessoas que estavam internadas no hospital São João de Deus – Madri, Espanha – e lá encontrou mulheres vítimas de doenças sexualmente transmissíveis adquiridas na prática da prostituição. 

Escutando as mulheres, padre Serra percebeu a realidade de exploração e a falta de oportunidade vivida por elas e sonhou a possibilidade de abrir uma casa/abrigo para acolhe-las. Uma casa que estaria com as portas abertas para as mulheres, lugar onde elas poderiam encontrar novas oportunidades.
Para que pudesse levar adiante esse sonho, ele pensou em Antonia Maria de Oviedo que durante muito tempo sentia o desejo de doar sua vida em uma missão. Antonia tinha muitas habilidades que contribuiriam para o crescimento da missão.

No dia 1º de Junho de 1864 foi inaugurada a primeira casa para colher as mulheres, cujo objetivo era “Acolhida de qualquer mulher, independente de país, cidade, idade, condição e saúde”. 

No Brasil, as Irmãs Oblatas chegaram no ano de 1935 e atualmente a missão é desenvolvida em quatro projetos: Pastoral da mulher (Juazeiro da Bahia); Diálogos pela Liberdade (Belo Horizonte); Força Feminina (Salvador); e Projeto Antonia (São Paulo). 

Fonte: Revista Comemorativa Projeto Antonia / 
Constituições Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor.





Curta nossa página no Facebook