Vocacional Oblata: Julho 2016

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Espiritualidade Inaciana na America Latina

No próximo dia 31 de julho a Igreja Celebra o Dia de Santo Inácio de Loyola, religioso da Companhia de Jesus (Jesuítas), congregação de consagração do nosso querido Papa Francisco, vamos refletir o texto a baixo que fala sobre a espiritualidade Inaciana.

Quando o Brasil completava quarenta anos de sua descoberta pelos portugueses, era fundada em Roma a Companhia de Jesus. Nove anos depois, desembarcavam na Bahia os primeiros jesuítas. Eram os missionários enviados por Inácio de Loyola com o objetivo de evangelizar e catequizar o Novo Mundo.

Mais tarde, outros filhos espirituais de Santo Inácio desembarcam no Brasil e em outras terras do continente americano. Agora, depois de 500 anos. vemos esse continente dar à Igreja um Papa. Desde os primeiros momentos de seu mistério petrino, as atitudes e os gestos do Papa Francisco têm suscitado admiração. Contudo, se compararmos com seu modo de ser dede o tempo em que era Arcebispo de Buenos Aires, Cardeal Bergoglio e, mais ainda, com sua vida em casas da Companhia de Jesus, veremos que existe uma linha-mestra que  conduz a ação desse homem de Deus. Essa linha é a experiência mística de Inácio de Loyola, bebida pelo nosso Papa desde a realização do seu primeiro retiro inaciano.

Simplicidade de vida, austeridade em vez de consumismo, devoção ao "pobrezinho de Assis", manifestação de carinho e amor aos mais necessitados, ter a pessoa humana em primeiro lugar, devoção à Mãe de Deus e nossa: tudo isso encontramos nos Exercícios Espirituais de Inácio de Loyola e identificamos também na vida de Padre Anchieta, Apóstolo do Brasil, como o amor pela natureza, pelos animais, pelo ser humano, seu respeito pela dignidade dos indígenas e dos negros. Tanto José de Anchieta como Jorge Bergoglio são americanos! Apesar de ter nascido na Europa, Anchieta chegou ao Brasil com 18 anos e viveu 45 anos.

Conhecemos muito homens e mulheres que renunciaram à alegria de ser esposo/esposa e pai/mãe, para se tornar irmão/irmã e amigo/amiga de muitos e tentar amar a todos no Senhor. A Vida Religiosa Celibatária não só é possível, como também é acolhido por muitos jovens do nosso tempo. Quem descobre Deus como absoluto da sua vida é capaz de experimentar grande liberdade interior que destrói idolatrias que o mundo oferece.

O celibatário fez de Deus seu único absoluto e portanto, tudo o  mais se torna relativo. Ser celibatário significa assumir e proclamar, com a própria vida a existência de alguém maior e mais importante que qualquer valor baseado no consumo, na vida desregrada, entre outras coisas que a sociedade possa oferecer, e esse alguém é Jesus Cristo! Só Deus é absoluto!

Finalmente você me pergunta se é difícil consagrar-se a Deus hoje. Honestamente, creio que antes é preciso responder a outra questão: Você quer ser cristão pra valer? Por trás do medo de se tornar um religioso futuramente, é provável que se esconda o grande temor de ser um bom cristão hoje... É mais fácil dizer: "Padre/Irmã, eu não dou para isso"; do que dizer: "Eu não quero isso!". Uma tristeza!

Como alguém poderia ser um bom cristão se não está disposto a se entregar inteiramente? Somente quem decide ser um cristão para valer terá possibilidades de ser um religioso um dia. Você não acha? 
Hoje, mais do que nunca, são necessários os valores do Evangelho: fraternidade, solidariedade, liberdade, sentido da vida...

E nós religiosos, religiosas, padres, queremos vivê-los no meio do nosso povo. E você, porque não?

Descubra a missão que Deus sonha para você, faça um discernimento vocacional!
Clique aqui

Texto: Pe. Cesar Augusto, SJ -  com adaptações
Fonte: Revista Mensageiro do Coração de Jesus

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Como esperar o tempo de Deus?

Seria inatingível, imaginável por nós. Sabemos que existe porque Ele se revelou: tirou o véu que escondia seu mistério divino. Fez isso mediante a natureza, a ciência, a história e por sua Palavra. Ela é a revelação do Verbo, o Deus-humanado. Só falamos com Ele e Dele conforme as categorias antropológicas humanas. O humano vem do "húmus" (terra) e eleva-se ao divino consciente de ser criatura feita à sua imagem e semelhança (Gn 1,27). Vivemos no tempo. O tempo é físico, cronológico, histórico e é momento pessoal ou chance de fazer escolhas. Sendo um prazo de tempo, a vida não se identifica com ele. Passa por ele. Viver só para o mundo é esvaziar o próprio sentido do tempo. Transcendente, Deus quis fazer história conosco ao nos criar e nos redimir do pecado em Cristo. As primeiras palavras de Jesus em Marcos anunciam o tempo de Deus: "Completou-se o tempo. O Reino de Deus está próximo de vós" (Mc 1,15). Inaugurava-se o tempo messiânico a chance de salvação.

Na expectativa de conquistas e prazeres, a nossa vida terrena é um tempo de espera. Nada nos tira do limiar da eternidade. Precisamos viver atentos aos "tempos de Deus", na alegria, tristeza, nas conquistas e derrotas. Em tudo aguardar o tempo certo com total confiança. Na espera paciente está o acerto das opções e decisões no dia a dia. Rezar e esperar é a sabedoria de "fazer a hora". Senão, o perigo de abandonar a fé e o desafio real das pessoas. Perguntam: quando Deus vai atender meu pedido? Por que não me ouve? Teria Ele me esquecido? Mas, o que nos parece "demora de Deus" pode ser a sua pedagogia paciente nos ensinando o 'caminho das pedras'. Quem perscruta os sinais dos tempos põe-se à espera de modo proativo. Não cede à cultura do imediatismo. Não se faz escravo do tempo tecnológico. Não se deixa levar por modismos, conformismos ou comodismos. Vai aprendendo como agir, o que fazer, que decisão tomar.

A cultura ocidental saturada por bytes e pelo marketing do consumismo exacerbado tem pressa em tudo. Entretanto, nem invento tecnológico nem pressão da mídia podem alterar a ordem do tempo e o ritmo da natureza. A fé bíblica ilumina o provérbio: tudo tem seu tempo! Abraão caminhava disposto a sacrificar a vida do filho Isaac em obediência a Deus. O rapaz de nada sabia e perguntou: pai, temos a lenha e o fogo, onde está o cordeiro para o sacrifício? Abraão respondeu: Deus o providenciará, meu filho! (Gn 22,8).

Maria, primeira herdeira da promessa, esperou Jesus  (o verdadeiro Isaac) na gravidez. Enquanto Ele crescia, ela meditava em seu coração esperando o tempo de Deus!

Pe. Antonio Clayton Sant'Ana, C.Ss.R
Fonte: Revista de Aparecida - Abril 2016

sábado, 23 de julho de 2016

Louvando a Mãe Maria

Coração de Mãe - Mariani

O peso da cruz derrubou o Rei Jesus.
Só um coração de mãe pra compreender tamanha dor.
Como é difícil ser fiel e carregar a minha cruz,
Mesmo fraca, ferida, o teu olhar me mostra o amor.

Caminhaste até o calvário com teu filho.
Te convido a caminhar também comigo.

Oh mãe, levanta-me do chão,
Acolhe-me em teus braços,
 intercede pelas lutas do meu coração.
Oh mãe, carrega-me em teu colo,
Educa-me como educaste o cristo,
Pra que eu possa entender que o calvário 
me ensinará a viver.


sexta-feira, 22 de julho de 2016

Santa Maria Madalena

Embora fosse apenas uma pecadora famosa de sua cidade, Maria Madalena teve uma participação importantíssima na passagem de Jesus pela Terra. Ela foi perdoada publicamente e foi ainda a escolhida para ser a primeira testemunha da Ressurreição. 

Seu nome aparece onze vezes nos evangelhos, apesar de não termos certeza de que se trata sempre da mesma pessoa, pois os evangelhos falam de três Marias Madalena em situações diferentes. 

Madalena ouvira falar de Jesus, pois a fama de Seus milagres corria entre o povo. Assim, no dia em que Jesus participava de um banquete na casa de Simão, o fariseu, Maria Madalena resolveu fazer uma confissão pública de arrependimento, porque o seu pecado era público, como diz a Sagrada Escritura. 
Em outra passagem, lemos que Jesus a perdoou diante da multidão dos fariseus que queriam apedrejá-la. A partir desse dia, tornou-se uma das mais fiéis seguidoras do Messias. 

Ela estava ao lado de Maria quando da crucificação do Senhor e, na madrugada da Páscoa, era tanta a saudade que sentia de Jesus que foi chorar à porta do sepulcro. De repente, ouviu a Voz chamar seu nome. Assim, as profecias se cumpriram diante de seus olhos. Jesus tinha ressuscitado! 

Depois disto, segundo uma antiga tradição grega, Maria Madalena teria ido viver em Éfeso, onde morreu. Nesta cidade tinham ido morar também João, o apóstolo predileto de Jesus, e Maria, Mãe de Jesus. 

A liturgia bizantina a celebra como "Apóstola dos Apóstolos".  


Padre Evaldo César de Souza, CSsR
Fonte: A12.com

quarta-feira, 20 de julho de 2016

O valor de uma amizade

Um dia observei um garoto da minha sala indo pra casa. Seu nome era Paulo e carregava todos os seus livros. Diante daquela cena, quase por impulso, pensei: "Por que alguém levaria todos os seus livros numa sexta-feira? Deve ser um CDF".

Conforme eu ia caminhando, vi um grupo de garotos correndo na direção do Paulo. Eles o atropelaram e todos os seus livros caíram. Seus óculos voaram e caíram na grama há alguns metros de onde eu estava. Agachei-me e o peguei. Ele ergueu seu rosto e eu vi uma terrível tristeza em seus olhos.

Naquele momento, eu disse: "Aqueles caras são uns babacas!". Ele me agradeceu. Vi um grande sorriso de gratidão em sua face. Por coincidência morávamos próximos. Durante o trajeto para os nossos lares conversamos por todo o caminho e ele se revelou um garoto bem legal . Perguntei se ele queria jogar futebol no sábado comigo e ele aceitou. Nós ficamos juntos por todo o final de semana e quanto mais eu o conhecia, mais gostava dele.

Chegou a segunda-feira e lá estava Paulo, com a mesma quantidade de livros. Eu o parei e brinquei dizendo que ficaria musculoso carregando todo aquele material todos os dias. Ele sorriu e me entregou a metade dos livros. 

Paulo e eu nos tornamos melhores amigos. Então chegou a nossa formatura. Paulo era o orador oficial da nossa turma e teve que preparar um discurso. No dia da formatura eu podia ver o quanto ele estava nervoso. Quando ele subiu no oratório, limpou a garganta e começou a discursar: "A formatura é a época para agradecimento àqueles que ajudaram você durante estes anos duros. Seus pais, seus professores, seus irmãos, talvez até um treinador, mas principalmente aos seus amigos. Eu estou aqui para lhes contar uma história".

Eu olhei para o meu amigo sem conseguir acreditar enquanto ele contava a história sobre o dia em que nos conhecemos. Ele revelou que havia planejado acabar com a própria vida naquele final de semana, pois não tinha amigos. Havia esvaziado seu armário na escola para que sua mão não tivesse que fazer isso depois que ele morresse. Ele olhou diretamente nos meus olhos, me deu um pequeno sorriso e continuou o discurso: "Felizmente eu fui salvo. Meu amigo me salvou de fazer algo inominável".

Eu observava a expressão emocionada de todos da platéia durante aquele seu momento de fraqueza. Vi sua mãe e seu pai olhando para mim e sorrindo com um ar de gratidão. Até aquele momento eu jamais havia me dado conta da profundidade do sorriso que ele me deu naquele dia...

Nunca subestime o poder das suas ações. Com um pequeno gesto você pode mudar a vida de uma pessoa, para melhor ou pior. Deus nos coloca nas vidas uns dos outros para que tenhamos impacto sobre o outro de alguma forma. Por isso, procure sempre o bem nos outros.

"Amigos são anjos que nos deixam de pé quando as nossas asas têm problemas em se lembrar de como é voar".

Texto: Google com adaptação de Carmen Maia
Fonte: Sagrada Família Revista

terça-feira, 19 de julho de 2016

Vai e faze tu o mesmo!

Uma das parábolas mais conhecidas de Jesus é a "Parábola do Bom Samaritano" (Lc 10,25-37). Só para recordar: um doutor da lei queria saber do Mestre o que é necessário fazer para se alcançar a vida eterna. Em resposta, Jesus fez com que ele mesmo recordasse os dois grandes mandamentos da Lei de Deus: o amor a Deus, de todo o coração e com todas as forças, e o amor ao próximo, como a si mesmo. Quando ouviu o que deveria cumpri-los para, então viver plenamente, o doutor da lei, querendo justificar-se, voltou com nova questão: "E quem é o meu próximo?".

Graças a essa pergunta, temos esta bela "Parábola do Bom Samaritano". Antes de tudo, uma observação: a "parábola" era e é um tradicional método de ensino dos orientais. Por meio de histórias ou de fatos da vida, eles ensinam verdades. Na parábola em questão, um homem da Samaria, movido de compaixão, atendeu  a um homem na estrada, ferido por ladrões. Antes dele, dois outros haviam passado por aquele lugar e mostraram indiferença em relação ao homem ferido. Depois de ter feito, no próprio local, os curativos possíveis, o Samaritano levou-o para uma hospedaria, completou os curativos e, no dia seguinte, antes de partir, pagou antecipadamente ao hospedeiro, a continuação do tratamento. E acrescentou: "Trata dele e, quanto gastares a mais, na volta te pagarei". Contada a parábola, foi a vez de Jesus fazer uma pergunta ao doutor da lei: "Qual desses três parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?". Respondeu o doutor: "Aquele que usou de misericórdia para com ele ". Então, Jesus lhe disse: "Vai e faze tu o mesmo!".

"Vai e faze tudo o mesmo!". Nessa orientação, resume-se a Doutrina Social da Igreja, que tem quatro pilares:

1ºDireitos humanos. O ser humano tem um valor intrínseco e inestimável. O homem e a mulher são as únicas criaturas que Deus quis por elas mesmas. Por isso, o ser humano deve ser sempre visto como um fim e nunca como um meio; considerado sempre como sujeito, não com objeto e, menos ainda, como produto comercial. Dessa visão cristã do ser humano, nascem algumas perguntas: Que papel têm os mais fracos em nossa sociedade? Os menos capazes? Os anciãos? Os não nascidos? Os portadores de doenças crônicas? A Igreja defende a"cultura da vida", de toda vida, também da frágil e indefesa, em oposição a "cultura da morte".

2ºSolidariedade. Cada pessoa tem direito de ser defendida. Quando se trata de uma pessoa que sozinha, não consegue reerguer-se, maior é o direito que tem de receber a atenção de todos - inclusive do Estado. Diante dos desafios de nossa sociedade, há necessidade de respostas criativas. No início do cristianismo, os cristãos punham tudo em comum, procurando ajudar-se mutuamente; na Idade Média, surgiram ordens religiosas voltadas para a prática da caridade; em séculos recentes, nasceram instituições voltadas para os mais necessitados. E hoje? ... Num mundo onde se globaliza no campo econômico, devemos defender a globalização da solidariedade.

3ºSubsidiariedade. "Na aldeia global, as unidades sociais menores - nações, comunidades, grupos religiosos ou étnicos, famílias e pessoas - não devem ser absorvidas anonimamente por uma comunidade maior, de modo que cercam sua identidade e sejam usurpadas suas prerrogativas. Pelo contrário, é preciso defender e apoiar a autonomia própria de  cada classe e organização social, cada classe e organização social, cada uma em sua esfera" (João Paulo II 24/02/2001). A globalização não deve transforma-se em uma nova versão do colonialismo.

4ºSantidade. Num mundo em que os problemas sociais se multiplicam, a obra que temos pela frente é desproporcional às nossas forças. "Sem mim, nada podeis fazer" (Jo 15,5), afirmou Jesus. Por isso precisamos começar por nós mesmos, esforçando-nos por imitar o Mestre. Os santos são os grandes transformadores do mundo. Eles entenderam muito bem a ordem: "Vai e faze tu o mesmo"...

Dom Murilo S.R. Krieger, SCJ
Fonte: Revista Mensageiro do Coração de Jesus

sábado, 16 de julho de 2016

Louvando a nossa Mãe Maria

A Porta do Céu - Comunidade Católica Shalom

Vai à nossa frente a Rainha
Vestida de Sol e Esplendor
Mulher adornada de graça e beleza
És a luz que precede o amanhecer

Ó Noiva coberta de glória
Ó Pura, Habitada por Deus
Ó Imaculada, Senhora dos Anjos
Perfeita alegria dos filhos teus

Em ti tudo o que nós queremos ser!
Contigo avançamos rumo
Ao Céu e cantamos:

Maria, a cheia de graça
Maria, bendita entre as nações
Maria, perfeito louvor a Deus
Maria, a Porta do Céu!

quinta-feira, 14 de julho de 2016

São Camilo de Léllis

Camilo nasceu de pais já idosos, no dia 25 de maio de 1550, no sul da Itália. Camilo não gostava de estudar e era rebelde. O pai de Camilo, apesar de seus problemas com jogo de cartas, preocupou-se em educar o filho e o colocou na escola militar. O jovem, devido à sua grande estatura e físico atlético era requisitado para os trabalhos braçais e nunca passou de soldado, por falta de instrução. 

Aos dezenove anos pensou em entrar para a vida religiosa, mas um tumor no pé impediu sua admissão. Ele então foi enviado para o hospital de São Tiago, em Roma. Sem dinheiro para o tratamento, conseguiu ser internado em troca do trabalho como servente. Com vinte e cinco anos de idade pediu novamente para ingressar na ordem dos franciscanos, mas novamente não foi aceito. 

Camilo, já tocado pela Graça, passa a cuidar de doentes como voluntário. Preferia assistir aos doentes mais repugnantes e terminais, abandonados à própria sorte. Neles, Camilo viu o próprio Cristo e por eles passou a viver. 

Em 1584 constituiu uma irmandade de voluntários para cuidar dos doentes pobres e miseráveis, depois intitulada Congregação dos Ministros Camilianos. Com a ajuda de Filipe Néri estudou e vestiu o hábito negro com a cruz vermelha de sua própria Ordem. 

Mesmo sofrendo terríveis dores nos pés, Camilo ia visitar a casa dos doentes e, quando necessário, chegava a carregá-los nas costas para o hospital. Nesta hora agradecia à Deus a estatura física que lhe dera. Recebeu o dom da cura pelas palavras e orações, e os fiéis ricos e pobres, procuravam sua ajuda. 

Era um homem muito querido em toda a Itália, quando morreu em 14 de julho de 1614. Foi canonizado em 1746. São Camilo de Lellis, em 1886 foi declarado padroeiro dos enfermos, dos doentes e dos hospitais.  


Padre Evaldo César de Souza, CSsR
Fonte: A12.com

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Como anda seu sono?

O sono costuma ser aquele momento do dia em que finalmente damos um descanso aos corpo das atividades exercidas no cotidiano e recuperamos  a energia para o dia seguinte. No período de sonos noturno, são liberados hormônios indispensáveis para a maturação, o crescimento e a manutenção da saúde do nosso corpo.

Algumas pessoas, no entanto, mal conseguem dormir, ou despertam com sensação de cansaço ainda maior do que no dia anterior, quando se deitaram. Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira do Sono (SBS) em 2009 mostrou que 53,9% dos brasileiros não têm um sonos restaurador e 43% apresentam sinais de cansaço no decorrer do dia, Distúrbios de sonos como esses podem causar desde uma fadiga crônica a problemas sérios de saúde, além de afetar as relações pessoais e profissionais.

Em entrevista à Agência Brasil, Savoldi afirmou que, quando o sono é restaurador, acordamos com vitalidade, energia e motivação. "Quando não dormimos o necessário, despertamos, ao longo de vários dias, cansados em demasia, irritados e com a capacidade produtiva reduzida". Referência mundial em pesquisa, diagnóstico e tratamento do sono, o Instituto do Sono Listou os distúrbios mais comuns como insônia, apneia, bruxismo e sonambulismo.

A qualidade do sono é tão importante quanto a qualidade da alimentação e está diretamente ligada à qualidade de vida do ser humano. Enquanto dormimos, nosso organismo realiza funções extremamente importantes: fortalecimento do sistema imunológico, secreção e liberação de hormônios, consolidação da memória, entre outras. Porém, a falta de tempo de descanso provocada pelo corrido cotidiano urbano, aliada aos inúmeros distúrbios noturnos que atingem boa parte da população, prejudica o desempenho dessas funções. “Dormia-se 9 horas por noite no começo do século 20. Hoje, este tempo é cada vez menor”, explica o pneumologista, professor da Faculdade de Medicina (FMUSP) e diretor do Laboratório do Sono do Instituto do Coração (InCor), Geraldo Lorenzi-Filho.

O primeiro passo para uma noite bem dormida é respeitar, então, essas 8 horas. Dormir muito mais do que isso não é melhor e pode ser sintoma de algum distúrbio. Continuidade e profundidade do sono, porém, são aspectos essenciais. Segundo o neurologista especialista em medicina do sono e professor da FMUSP Rubens Reimão, “cada estágio do sono tem sua importância fisiológica. Por isso, é fundamental dormir bastante nas fases mais profundas. Isso melhora a qualidade da noite dormida”.

O que dizer então sobre o famoso cochilo após o almoço? Aquele que é inclusive cultural em alguns países – a sesta? Se tirado com regularidade, ele não faz mal, e a pessoa se sente bem, renovada ao acordar. Mas quando acontece esporadicamente, somente se sobra um pouco de tempo, já não é bom. “De uma forma geral, atrapalha o sono durante a noite e mostra que a pessoa está dormindo pouco durante a semana”, explica Reimão.

Texto: Carla Maria Carreiro e João Vitor Oliveira
Fontes: Revista Ave Maria e Revista Espaço Aberto

sábado, 9 de julho de 2016

Louvando a Mãe Maria


Maria, Amor Infinito - Shemah!
Maria, quando penso em teu nome 
fico feliz e começo a cantar.
Maria quando sinto o calor do teu véu sobre mim, 
me dá vontade de rezar,
E agradecer esse teu amor infinito, 
é tão lindo louvar assim.

Às vezes eu preciso de ajuda, 
Mas a quem recorrer? 
É tão fácil de te achar. 
Tu estás presente na oração, 
em meu coração, na minha vida.

Oh, Maria! 
Agradeço pela vida ser o que é
Aos cuidados de uma mulher maravilhosa.

Oh, Maria! 
Tua força nunca esquecerei.
Tua paz eu cantarei até o fim dos meus dias.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Semana Missionária Vocacional Redentorista

As Irmãs Sirley da Silva e Luiza Pralon juntamente com as postulantes Marcely Gomes e Samara Lima, irão participar da Semana Missionária Vocacional Redentorista em preparação da ordenação presbiteral do Diácono João Paulo Oliveira que acontecerá de 09 a 16 de julho em Cunha-SP. 

Esta semana missionária acontece durante a tradicional Festa do Divino, na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, atrai todos os anos uma centena de fieis, para pedir e dar Graças ao Divino. A Cidade de Cunha fica a 235 kilometros de São Paulo, aproveite participe da festa e conheça esta linda cidade que é a Estância Climática do Estado de São Paulo.

Estamos unidas em oração e alegria para que esta semana missionária seja um convite de Deus para que possamos somar mais operários ao Reino, e que Jesus Redentor continue abençoando a caminhada vocacional do jovem João Paulo.

A oração consagra a nossa jornada

O tempo é o sacramento em cada um de nós realiza sua história de salvação. Começamos a fazer parte do tempo  no dia do osso nascimento e saímos do tempo no dia da nossa morte. O relógio do tempo deve ser vivido na presença de Deus. Nunca as ocupações, o trabalho ou serviço, por mais pesados que possam ser,  nos afastam de Deus. Quem  ama sempre encontra tempo necessário para estar com o amado. Sabe sacrificar tantas outras atividades que considera secundárias para viver ao lado de quem ama. Sem descuidar dos nossos compromissos, podemos viver uma vida de santidade, seja qual for a nossa profissão.

Se isso não fosse possível, não teríamos santos que foram mães e pais de família, governantes, sapateiros, advogados, médicos, frades, bispos, sacerdotes e mendigos... Em todas as camadas da sociedade, surge a flor da santidade. E não pode existir um santo que não ame a oração e, principalmente, que não reze. Este número do Catecismo da Igreja é simples, claro, edificante. Não necessita de muitas explicações. Por isso me perdoem a tentação  de transcrevê-lo por inteiro e colocá-lo em destaque para dar-lhe importância: "A Tradição da Igreja propõe aos fiéis ritmos de oração destinados a nutrir a oração contínua. Alguns são cotidianos: a oração contínua. Algumas são cotidianos? a oração da manhã e da tarde, antes e depois das refeições, a Liturgia das Horas. O domingo , centrado na Eucaristia, é santificado, principalmente, pela oração. O ciclo do ano litúrgico e suas grandes festas são os ritmos fundamentais da vida de oração dos cristãos" (CIC nº 2698).

Cabe a cada um de nós fazer co calma a nossa agenda e, em tantas atividades necessárias, em outras tantas atividades necessárias, em outras tantas inúteis e supérfluas, colocar o lugar da oração e sermos fiéis. A oração é o caminho, diria Teresa de Ávila, para conhecer a si mesmo e para conhecer quando convivem e dialogam uma com as outras. A amizade não cultivada morre e se torna pesada  e difícil. Assim, a oração não cultivada cotidianamente se torna pesada, difícil e nos parece perda de tempo. Como vai o ritmo da oração no seu dia a dia? No seu corre-corre? Não esqueça que rezar é falar com Deus, e nós, cristãos trazemos Deus sempre conosco no nosso coração. Deus e nós somos inseparáveis. Rezar não consiste em muito pensar ou, como diz Jesus, em muito falar, mas em muito amar.

Frei Patrício Sciadini, OCD
Fonte: Revista Mensageiro do Coração de Jesus

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Não tenho Tempo!

Queremos com você refletir algo que faz parte de nossas vidas, o tempo. Será que conseguimos nos dedicar a tudo o que desejamos fazer ou será que estamos gastando tempo em coisas que não acrescenta algo positivo em nossas vidas?

O Eclesiastes é um interessante livro bíblico do Antigo Testamento. Seu nome vem do grego e significa: o homem da assembléia, isto é, aquele que toma a palavra na sinagoga. Escrito  em hebraico por volta de 250 a.C., esse livro comprova a influência da cultura grega na Judeia. Um tema atravessa, de modo especial, todos os seus capítulos: a precariedade das ocupações humanas. Tudo é "vaidade", ou seja, tudo é neblina fumaça e ilusão. Pessimista? Diria que não. Seu autor, um sábio ancião, quer instruir os jovens a viver com realismo e seriedade. É o que se conclui, por exemplo, com suas observações sobre o desenrolar do tempo: "Tudo tem seu tempo, há um momento oportuno para cada empreendimento debaixo do céu. Tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de colher a planta (...); tempo de chorar e tempo de rir" (Ecl 3,1-2.4). A partir de suas observações, faço as minhas.

Um dia, quando for escrito um livro sobre o nosso século, talvez se escolha como título: "A época dos homens sem tempo". Afinal, nenhuma justificativa é tão usada como a da falta de tempo. Ninguém tem tempo. Nem os adultos (ao telefone, depois de não ter ido à reunião: "Pois é, infelizmente não tive tempo..."), nem os jovens ( ao professor na faculdade: : "Por que ainda não  entreguei o trabalho? Tempo, falta de tempo!") e até as crianças (à mãe, que pede ao filho para fazer um serviço: "Ah! mãe, logo agora? Não tenho tempo!").

Alguns não se dedicam a clubes de serviço porque não têm tempo. Outros não visitam seu parentes "não se tem mais tempo para nada". Aquele jovem não estuda, este não trabalha e você nada lê porque lhes falta tempo. "Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. A conclusão a que se chega -  conclusão óbvia, clara, cristalina -  é de que há alguma coisa errada. Essa evidencia se acentua quando se ouve a desculpa daqueles que cortaram, aos poucos, todo relacionamento com Deus, por um motivo muito simples: não têm tempo! "Gostaria de ir à missa, mas não tenho tempo. Desejaria ler o Evangelho, pensar nos outros, rezar, ser voluntário em algum hospital, mas infelizmente não tenho tempo". Se o ser humano não tem mais tempo para cultivar sua amizade com o Pai ou para ir em direção a seus irmãos, alguma coisa está mesmo errada. Demos, pois, uma de pesquisador: procuremos o culpado por essa situação insustentável. 

Seria Deus? Afinal, foi Ele que deu o tempo ao ser humano. Contudo, talvez lhe tenha dado pouco tempo: afinal há tanto o que fazer!... Contudo, convenhamos: seria um absurdo pensar assim. Ele certamente dá aos homens e às mulheres o tempo suficiente para que possam fazer o Ele quer. Mais: Ele só espera de cada pessoa o que ela tem condições de fazer.

O problema da falta de tempo teria como causa o próprio ser humano? (Você, por exemplo!). Afinal, quem consegue realizar tudo o que gostaria? Dada nossa insatisfação continua, por mais que alguém aja, fale ou pense, sempre falta pensar, falar ou fazer alguma coisa. Novos horizontes se abrem diante de cada caminho percorrido. O que fazer, então? ("Fazer mais alguma coisa ainda? Mas eu já disse que não tenho tempo!"). Abra o Evangelho. Ouça o que Cristo tem a dizer sobre isso: "Marta, Marta, tu te preocupas com muitas coisas. E contudo, uma só será necessária".

O que seria o essencial da vida, o único necessário? Deve tratar-se, sem dúvida, de uma realidade que permaneça sempre, que não passe com o tempo, que continue a existir mesmo após a morte - que é para cada um, o fim do tempo.

Um dia, um doutor da lei perguntou a Jesus o que era mais importante - isto é, o que era essencial e resumia sua doutrina. A resposta do Mestre foi simples: o amor. O amor ao Pai e o amor aos irmãos. O resto, isto é, o que cada um vai fazer, pensar ou dizer, será uma consequência de seu amor. Ora, se alguém não tem tempo nem para se doar, que pobreza! Talvez tivesse sido melhor não ter recebido tempo nenhum!

Dom Murilo S. Krieger, SCJ
Fonte: Revista Mensageiro do Coraçãod e Jesus


segunda-feira, 4 de julho de 2016

São Tomé Apostolo

O apóstolo Tomé tinha o apelido de Dídimo, que quer dizer "gêmeo”. Era pescador, natural da Galiléia. Quando Jesus o encontrou, o admitiu entre seus discípulos. São Tomé foi um dos doze apóstolos de Jesus e o seu nome consta na lista dos quatro evangelistas. 

São três as grandes passagens do apóstolo Tomé no livro sagrado. A primeira é quando Jesus é chamado para voltar à Judéia e acudir Lázaro. Seu grupo tenta impedir que se arrisque, pois havia ameaças dos inimigos e Jesus poderia ser apedrejado. Mas Ele disse que iria assim mesmo e, aflito, Tomé intima os demais: "Então vamos também e morramos com Ele!". 

Na segunda passagem Jesus reuniu os discípulos no cenáculo e os avisou de que era chegada a hora do cumprimento das determinações de seu Pai. Tomé queria mais detalhes, talvez até tentando convencer Jesus a evitar o sacrifício: "Se não sabemos para onde vais, como poderemos conhecer o caminho?". A resposta de Jesus passou para a história: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim". 

E a terceira e definitiva passagem foi a que mais marcou a trajetória do apóstolo. Foi justamente quando todos lhe contaram que o Cristo havia ressuscitado, pois ele era o único que não estava presente ao evento. Tomé disse que só acreditaria se visse em Suas mãos o lugar dos cravos e tocasse em Seu peito dilacerado. A dúvida em pessoa, como se vê. Mas ele pôde comprovar tanto quanto quis, pois Jesus lhe apareceu e lhe disse: "Põe o teu dedo aqui e vê minhas mãos!...Não sejas incrédulo, acredite!". Ao que Tomé respondeu: “Meu senhor e meu Deus”. 

Diz a tradição que Tomé levou o evangelho à Índia, onde foi martirizado com uma lança.  


Padre Evaldo César de Souza, CSsR
Fonte: A12.com

sábado, 2 de julho de 2016

Louvando a Mãe Maria


Sou todo teu - Missionário Shalom

Em cada passo, em cada prece
No menor gesto lá estarás
No meu silêncio, no meu falar
Mãe vem comigo sempre estar

Nas minhas dores e alegrias
Todo momento lá estarás
No pensamento, no meu olhar
Mãe vem comigo sempre estar

Sou todo teu, óh Mãe
Sou todo teu Maria
Sou todo teu
Guarda no céu o meu lugar

Em cada passo, em cada prece
No menor gesto lá estarás
No meu silêncio, no meu falar
Mãe vem comigo sempre estar

Nas minhas dores e alegrias
Todo momento lá estarás
No pensamento, no meu olhar
Mãe vem comigo sempre estar

Sou todo teu, óh Mãe
Sou todo teu Maria
Sou todo teu
Guarda no céu o meu lugar

Tu serás ó Mãe minha rainha
E o Teu Filho o meu Rei
Essa vida não será mais minha
Um livre escravo teu serei

Sou todo teu, óh Mãe
Sou todo teu Maria
Sou todo teu
Guarda no céu o meu lugar.